Você tem dívidas? Se sim, o seu primeiro foco deve ser se livrar delas. Por isso, preparamos esse artigo com 4 simples passos para você eliminar dívidas de uma vez por todas.

Isso porque elas são como uma bola de neve em uma avalanche: tudo parece sob controle até que, de repente, não tem mais como se safar.

É esse motivo que faz com que quase 60 milhões de brasileiros não paguem suas dívidas em dia e 36% dos brasileiros saquem seu FGTS para pagá-las, segundo o G1 e o SPC.

Por isso, você deve focar seus esforços ao máximo em eliminá-las até estar saudável financeiramente.

Se você não tem dívidas parabéns! Esse texto também é pra fazer com que você nunca tenha.

Se você acompanha nosso blog, já deve saber essa equação e o que ela significa:

Dinheiro que entra — dinheiro que sai = Dinheiro que sobra

Se não, deixei um atalho aqui pra você.

Quando essa equação começar a fechar podemos ir para o próximo passo, que é investir.

Mas como fazer isso? Está tudo aqui, nesses 4 passos para eliminar dívidas:

  • Entendendo o que está acontecendo (WTF is happening?!)
  • Eliminando gastos desnecessários
  • Priorizando suas dívidas
  • Atenção redobrada! Imprevistos 

1 — Entendendo o que está acontecendo (WTF is happening?!)

Eliminar dívidas é, sem dúvidas, a etapa mais difícil rumo à sua independência financeira (algo entre 1 e 2 milhões de reais), pois exige o maior nível de força de vontade.

A primeira coisa a ser feita é reduzir todos os seus gastos ao essencial e básico e dedicar todo o dinheiro que sobrar ao pagamento de dívidas.

Sem exceção!

Para entender o que está acontecendo, a primeira coisa a se fazer é anotar todos os gastos em uma planilha.

Não importa se você usa cartão de crédito, débito, dinheiro, cheque. Não importa se você comprou comida, itens de higiene pessoal, o IPVA do carro ou a escola do seu filho. Se foi na internet, no supermercado, em casa ou viajando.

Anote TUDO. Acho que deu pra entender, né?!

Faça isso durante 30 dias para entender como são seus gastos mensais e quando eles ocorrem. No final desse período, você vai ser capaz de fazer um diagnóstico das suas finanças assim como o médico faz de você.

Com esses gastos anotados, a próxima etapa é classificá-los seguindo o método ABCD.

O método ABCD é um dos métodos mais utilizados para fazer um diagnóstico financeiro e isso tem um motivo: ele é muito simples.

O que deve ser feito é classificar cada gasto como alimentar [A], básico [B], contornável [C] e dispensável [D].

As despesas alimentares e básicas são gastos que não podem ser eliminados, mas devem ser reduzidos. Intuitivamente, os gastos alimentares se referem à necessidades de alimentação como supermercado e os básicos à necessidades gerais como aluguel de casa, energia elétrica, escola, etc.

Atenção! Nada de classificar uma ida ao restaurante como um gasto A ou deixar o ar-condicionado ligado o dia inteiro e considerá-lo como gasto B. Exceto se você estiver ganhando algo em troca, como mostramos nesse artigo.

Seja bem criterioso nessa classificação porque ela é muito importante para conseguir executar os próximos passos.

Dessa forma, você verá que muitas coisas são contornáveis (podem ser substituídas) ou são dispensáveis (você não precisa).

2 — Eliminando gastos desnecessários

Tudo que não estiver classificado em A e B deve ser eliminado. Isso mesmo. As despesas C e D devem ser zeradas até você conseguir se livrar das dívidas.

Por exemplo, se você possui uma assinatura de tv a cabo ela pode facilmente ser considerada D e ser eliminada ou C e ser substituída. Uma tv por assinatura pode custar de R$70 até mais de R$300 fazendo uma diferença considerável no final do mês. Além disso, pode facilmente ser substituída por Netflix (R$20)+ cinema (R$15).

Eu duvido que você assista tantos filmes que não sejam antigos o suficiente para estar no Netflix ou novos o bastante para estar no cinema.

Você pode reduzir ainda mais suas despesas com simples tarefas como falamos no artigo: 7 Maneiras de jogar dinheiro fora (e como parar com elas).

3 — Priorizando suas dívidas

Com todo o dinheiro que sobrou depois de eliminar as despesas C e D pague suas dívidas. Mas qual deve ser paga primeiro?

A pior dívida não é aquela que possui maior valor, mas sim aquela que possui maior juros mensal.

Isso quer dizer: Juros = Taxa de juros * valor devido

Devemos prestar bastante atenção nisso, pois uma vez que os juros forem maiores do que o quanto você pode pagar todo mês, a dívida vira uma bola de neve e não tem volta.

Dito isso, na maioria das vezes as dívidas seguem essa ordem de prioridade:

  1. Cheque especial
  2. Cartão de crédito
  3. Crédito pessoal
  4. Financiamento imobiliário
  5. Financiamento de automóvel
  6. Crédito consignado

4 — Atenção redobrada! Imprevistos

Lembre-se que para fazer seu diagnóstico financeiro você pegou um período de apenas 30 dias. Com isso, dependendo do mês em que você começar, podem surgir imprevistos. No início do ano, normalmente, os gastos são maiores devido ao verão, férias, IPVA, etc.

Sendo assim, considere isso na hora de pagar as dívidas para que um gasto inesperado não acabe sendo responsável por acumular uma nova dívida e isso tudo acabe tendo o efeito reverso.

Faça um planejamento desses gastos sazonais (que ocorrem apenas em determinada época do ano) para poder se planejar e evitar que você seja surpreendido e acabe se endividando desnecessariamente.

Depois disso vai ficar muito mais fácil se livrar das dívidas e conseguir economizar dinheiro para investir. Quando conseguir fazer isso, dá uma olhada nos artigos que temos por aqui. Tenho certeza que vão te ajudar!

Está na hora de parar de acumular dívidas e começar a fazer o seu dinheiro ficar em dívida com você.

Gostou desse artigo? Ele faz parte de algo muito maior.

Fique atento, em breve você poderá ficar por dentro do #oSegredodosMilionarios

Tem alguma dúvida ou precisa de uma ajuda? Deixe seu comentário!