melhor cartão de crédito

Nós comparamos os 5 cartões de créditos mais inovadores e este é o ideal para você

Desde a fundação do Nubank, em 2013, ter um cartão de crédito ficou mais fácil (e barato) para os brasileiros.

Sem tarifas, anuidade e com juros rotativo (explicaremos abaixo) um pouco menor que os cartões tradicionais, o apelidado “roxinho” revolucionou o mercado de cartões.

E os concorrentes não ficaram parados.

Seguindo o modelo inovador do Nubank, em 2016 foi lançado o Digio, utilizando a bandeira Visa.

Como um dos maiores problemas do Nubank era a demora para se conseguir um cartão (a fila de espera era gigantesca e você ainda precisava de um convite para entrar nela), o Digio surgiu como uma alternativa mais rápida e sem a necessidade de convites.

Além disso, o Digio ainda cobra um juros rotativo menor, podendo chegar à metade do rival.

Apesar da popular concorrência entre os dois, há também outros cartões que não cobram anuidade e oferecem serviços únicos aos clientes.

Fizemos este comparativo entre os 5 cartões que consideramos os mais inovadores. Dá uma olhada!

cartão de crédito

Mas afinal, qual o melhor cartão de crédito para mim?

Todos os cartões são muito bons.

Entretanto, cada pessoa tem um perfil diferente e um cartão que se encaixa melhor dele.

Quero um cartão completo e não ligo tanto para atendimento ao cliente e tecnologia:

Se esse é seu caso, sem dúvidas, o melhor cartão para você é o Saraiva.

Ele oferece uma solução completa, sem cobrar anuidade e ainda conta com um bom programa de vantagens, o Saraiva Plus.

Quero um cartão que entenda minhas necessidades e não me trate como mais um cliente:

Esse é o perfil exato de quem opta pelo Nubank.

Como se já não fosse suficiente a ausência de anuidade e tarifas, o cartão também conta com um atendimento pessoal e humano, aliado ao excelente aplicativo, considerado o mais inovador para iPhone em 2015.

Apesar de não possuir um programa de vantagens próprio, o qual ainda está em desenvolvimento, é possível utilizar programa da bandeira, o MasterCard Surpreenda.

Quero um cartão para comprar acima de R$1400, com uma pegada social e que devolva me dê dinheiro em vez de milhas:

Para todos os perfis existe um cartão.

O Trigg, apesar de cobrar anuidade, possui o programa CashBack. Nele, uma parte da sua fatura é simplesmente devolvida em forma de crédito para compras futuras.

Além disso, o cartão possui uma pegada alternativa. Você pode utilizar o dinheiro do CashBack para fomentar o empreendedorismo social. Maneiro né?


dinheiro trás felicidade

Dinheiro traz felicidade? Estes 3 estudos mudarão completamente seu pensamento sobre isso

A discussão entre dinheiro e felicidade ainda é atual. A exibição de altos padrões de vida é muito frequente nos dias de hoje, proporcionada pelo grande acesso à informação e pelas mídias sociais. Diante disso, cada vez mais as pessoas estão se perguntando: dinheiro traz felicidade?

 

dinheiro traz felicidade

“Dinheiro não traz felicidade, mas te leva para sofrer em Paris.”

Essa frase tornou-se um jargão das conversas entre amigos nos últimos anos.

Apesar de engraçada, ela traz uma reflexão importante sobre 2 temas fundamentais da nossa vida: dinheiro e felicidade.

Você realmente acredita que há uma correlação entre os dois?

É possível que uma pessoa triste torne-se feliz, simplesmente por ter mais dinheiro?

Documentário Happy  — Dinheiro traz felicidade?

Se você pensa assim e acha que quem diz o contrário está falando besteira para ignorar a importância do dinheiro, você precisa assistir ao documentário Happy.

O documentário é fruto de 6 anos de estudo investigativo em diversos países sobre o que traz felicidade. As explicações vem de estudos da neurociência, sociologia e psicologia da felicidade. E nada tem a ver com dinheiro.

Se você ainda não acredita e gosta de dados para comprovar, aí vai.

Existe um Relatório Mundial da Felicidade, que é elaborado pela ONU para medir a felicidade dos países e amparar as políticas públicas dos países. No último relatório os EUA estão na 14ª posição, embora sejam o país mais rico do mundo, em termos do PIB.

Apesar disso, existem sim, muitas pessoas usando a máxima de que dinheiro não traz felicidade justamente para isso: ignorar completamente a importância do dinheiro nas nossas vidas.

A questão é que o dinheiro está ligado às nossas vidas por todos os lados e é impossível não precisar dele, a menos que você viva isolado da sociedade.

Por isso, é preciso saber lidar muito bem com o dinheiro e ter o que chamamos de educação financeira. Assim, é possível usar o dinheiro e transformá-lo na verdadeira felicidade.

E isso não tem nada a ver com viver uma vida de conforto e luxo, como comprova o documentário. Muito menos com ter o carro do ano ou uma mansão, apesar de você poder ter isso se souber usar bem seu dinheiro e ser feliz mesmo assim.

A verdadeira felicidade

A verdadeira felicidade foi um termo inventado há muitos anos na Grécia Antiga, por uma escola de filosofia chamada Estoicismo. Eles acreditavam que a virtude era o único caminho para felicidade e que, por isso, os filósofos estavam imunes à infelicidade.

Calma! Não estou falando para você virar filósofo, nem que eles estavam certos. Porém, a conclusão que eles chegaram é interessante.

A solução para alcançar a verdadeira felicidade, segundo eles, é aprender a querer as coisas que já temos ao invés de querer sempre mais e querer o que os outros tem.

E isso faz um certo sentido, né?!

Quantas histórias já ouvimos de pessoas ricas que quanto mais tinham mais queriam e que eram infelizes ou que disseram que eram mais felizes quando tinham menos bens.

O Paradoxo da Escolha

Em seu livro O Paradoxo da Escolha, de Barry Schwartz, o autor lembra que no mundo está enraizada uma busca sem fim pela felicidade e que ela é alcançada por meio da liberdade.

Assim, quanto mais liberdade uma pessoa tem mais feliz ela é.

Entretanto, quanto mais liberdade, mais opções e escolhas temos para tomar decisões, o que torna a vida mais complexa e, consequentemente, deixa as pessoas menos felizes.

Então, surge o paradoxo da escolha: o que gera mais felicidade? Mais liberdade ou menos decisões?

Dessa forma, foram realizados experimentos para provar que mais liberdade não traz felicidade.

Em um deles, os pesquisadores apresentaram 2 situações diferentes para um visitante em uma loja de doces.

  • Uma mesa com 24 sabores de doces
  • Uma mesa com apenas 6 sabores de doces

O primeiro objetivo era identificar qual mesa atraía mais pessoas. Já o segundo, era identificar qual mesa vendia mais doces.

O resultado foi surpreendente.

A mesa com mais sabores atraiu mais gente. No entanto, ela vendeu bem menos doces que a mesa que tinha apenas 6 sabores.

Isso porque mais opções geram escolhas mais difíceis, fazendo com que as pessoas prefiram optar pela inércia para não se frustrar no futuro por não terem feito a melhor escolha.

Conclusão

A solução para a felicidade não é reduzir o número de escolhas. Se fosse assim, uma ditadura totalitária e intervencionista seria o caminho para a felicidade.

O caminho para a felicidade é se contentar com os bens que temos, as escolhas que tomamos, o que já fazemos e ficarmos felizes por isso.

Olha a conclusão dos estoicos aí!

Atenção! Não estamos condenando a ambição e a busca por crescimento. É necessário, apenas, ter equilíbrio e coerência nessa busca, que deve estar sempre atrelada a felicidade, se você quiser ser uma pessoa feliz.

Sabemos que a teoria é muito diferente da prática. Ninguém vai sair de infeliz à verdadeira felicidade do dia para a noite apenas porque acabou de ler isso.

É preciso colocar em prática.

Pra isso, existem duas técnicas que devem ser praticadas para acabar com a insaciabilidade: a visualização negativa e a visualização projetiva.

A visualização negativa é uma técnica que visa fazer com que a pessoa tente imaginar a perda.

Imagine que você tenha perdido algo que você possui e que é muito importante para você. Uma coisa que afetaria bastante a sua vida e que, provavelmente, você não seria o mesmo sem ela. Pense nas consequências disso.

Faça isso durante 5 minutos, todo dia. Quando esse tempo passar, é importante perceber fisicamente que você ainda tem aquela coisa. Quando você fizer esse contato, isso vai fazer com que você fique feliz por tê-la.

Já a visualização projetiva é quando você se remove de determinada situação.

Em alguns momentos acontecem situações que fogem do nosso controle. Simplesmente, não há nada que possamos fazer para contornar a situação, ou seja, independente de nossas ações a situação não deixará de existir. Sendo assim, ficar angustiado ou sofrer não mudará nada.

Nesse momento, é preciso imaginar que essa situação ruim está acontecendo com outra pessoa e pensar em que conselhos daríamos para aquela pessoa.

Dessa maneira, devemos focar nossos esforços apenas em atitudes que possam mudar situações que estão sob nosso controle. É necessário pensar: “Posso fazer alguma coisa para mudar isso?”

Se a resposta for sim, foque seus esforços nisso. Se a resposta for não, pratique a visualização projetiva.

Pode parecer maluquice para alguns, mas garantimos que funciona.

 

Gostou desse artigo? Ele faz parte de algo muito maior.

Fique atento, em breve você poderá ficar por dentro do #SegredodosMilionarios

Enquanto isso, aconselhamos que você leia esses dois artigos para se preparar para o que está por vir:

Como investir em Renda Fixa: o guia completo para quem nunca saiu da poupança

Como investir na Bolsa de Valores: as 7 coisas que você precisa saber para começar a investir


o segredo dos milionarios ficar rico dinheiro aposentar

O segredo que você precisa saber para ficar rico ou se aposentar em 10 anos

O segredo dos milionários é o que muita gente tenta descobrir ano após ano, década após década. Só que apenas uma pequena parcela consegue descobrir e aplicá-lo em sua vida.

Para começar, reflita: o que acontece quando você consegue economizar mais do que ganha? Você passa a ter uma grana extra.

A equação é simples:

Dinheiro que entra  —  dinheiro que sai = Dinheiro que sobra

Se sai mais dinheiro do que entra essa equação não fecha e pára de sobrar dinheiro. Você começa a dever dinheiro.

Dessa forma, você começa a acumular dívidas e rapidamente pode virar um caminho sem volta.

Agora, se você nunca gasta mais do que ganha, quem está em dívida com você é o seu dinheiro. E você pode fazer o que quiser com ele! Principalmente, fazê-lo trabalhar e transformá-lo em MAIS dinheiro. 

Vou te contar um segredo. O maior segredo dos milionários.

É a verdade absoluta sobre acúmulo de riqueza e que muitas pessoas não se dão conta do poder que ela tem. Simplesmente a ignoram.

Pra você ter uma ideia, ela é responsável por transformar 27 brasileiros em milionários a cada dia que passa.

Isso mesmo.

Só no ano de 2016 o Brasil ganhou 10 mil novos milionários (Credit Suisse)

E isso não é simplesmente ter R$1 milhão (só né?!). Para esse estudo global, milionário é a pessoa que possui US$1 milhão, excluindo a residência principal.

o segredo dos milionarios

Já se imaginou com 1 milhão de dólares?

Vamos ao segredo:

"Gastar muito menos do que você ganha é o caminho para ficar rico. O ÚNICO CAMINHO."

Por isso, vamos te ensinar como fazer para gastar muito menos do que você ganha. 

Vamos te ajudar a chegar nesse nível. Vamos te transformar no novo milionário.

Está na hora de parar de acumular dívidas e começar a fazer o seu dinheiro ficar em dívida com você.

Para isso, comece lendo esses dois artigos nossos:

Como investir em Renda Fixa: o guia completo para quem nunca saiu da poupança

Como investir na Bolsa de Valores: as 7 coisas que você precisa saber para começar a investir

Neles, ensinamos tudo que você precisa saber para começar a investir.

Mas não é só isso. Estamos preparando um conteúdo que vai te fazer repensar toda a sua vida.

Se você quiser recebê-lo, basta comentar aqui nesse artigo e se cadastrar na nossa lista, bem aqui embaixo.

Vamos juntos aprender o segredo dos milionários?


7 Maneiras de jogar dinheiro fora (e como parar com elas)

Jogar dinheiro fora certamente é um problema que atinge 99,9% das pessoas. E eu não estou exagerando. É muito difícil encontrar alguém que tenha controle total sobre seus gastos e isso é normal.

Aqui no Blog nós falamos muito sobre os melhores investimentos e as melhores formas de economizar dinheiro.

Em diversos artigos, abordamos como investir em ações, renda fixa e qual a melhor corretora para realizar esses investimentos.

Hoje, porém, faremos o contrário. Vamos falar das piores formas de jogar dinheiro fora.

E a 5ª com certeza é a pior delas.

1 — Você possui o mesmo plano de celular há anos

A concorrência por novos clientes no setor de telefonia móvel acirra-se a cada dia.

Por ser um setor com altos ganhos de escala, é interessante para essas empresas manter a maior base de usuários possíveis.

Além disso, o ritmo acelerado do desenvolvimento de novas tecnologias faz com que os planos de telefonia tornem-se obsoletos rapidamente, forçando-os a criar novos planos com mais vantagens e por um preço menor.

Esse artigo mostra um ótimo exemplo de como não renegociar o plano do seu celular pode ser um desperdício de dinheiro.

Outra furada fornecida pelas operadoras são os celulares oferecidos por um preço incrivelmente mais barato quando comprados junto a algum plano.

jogar dinheiro foraNo lançamento do iPhone 7, por exemplo, a Vivo oferecia o aparelho por “apenas” R$1.989. Se comparado ao preço médio de R$4.500, realmente a compra pareceria uma ótima oportunidade.

Entretanto, o iPhone vinha com um “bônus”: o comprador assinava também um plano de meros R$1.299 mensais.

Em um ano, você teria pago o equivalente a 4 iPhones 7.

2— Você paga anuidade pelo seu cartão de crédito

O cartão de crédito é uma das formas de pagamento prediletas dos brasileiros. Além de prático, ele também permite o acúmulo de milhas aéreas. 

A maioria dos cartões, contudo, cobra uma taxa de anuidade média de R$52 e que pode chegar até R$690.

Há diversas opções de cartões de crédito que oferecem seus serviços sem cobrar nenhuma taxa por isso. 

jogar dinheiro foraMelhores cartões sem anuidade

  • Nubank
  • Digio
  • Neon
  • Intermedium

Outra vantagem, especificamente pra quem costuma se endividar, é que o juros cobrado por esses cartões costuma ser muito menor do que o dos cartões tradicionais. 

O Nubank, por exemplo, caso você deixe de pagar a fatura, o juros cobrado varia entre 2,75% e 14% ao mês.

Enquanto isso, em cartões tradicionais, essa taxa pode chegar a 511% ao ano.

3— Você deixa seu dinheiro na poupança (mesmo que seja R$1)

Essa é a segunda melhor forma de não fazer seu dinheiro render.

Além de garantir o lucro dos bancos, você ainda perde dinheiro sem perceber, já que a inflação não aparece no extrato.

Em 2015, por exemplo, o ganho real (rendimento do investimento menos inflação) da poupança foi de -2,28%.

Há diversas alternativas mais rentáveis e tão seguras quanto a poupança que também permitem a retirada do dinheiro a qualquer momento (liquidez diária).

Estas são algumas delas.

4— Você põe seu dinheiro em programas como PIC 

jogar dinheiro fora

Definitivamente, é a melhor forma de não fazer seu dinheiro render.

Parecido com o carnê do Baú da Felicidade e a Megasena, no PIC você empresta seu dinheiro para o banco por um certo período e em troca concorre a prêmios (ninguém conhece alguém que tenha ganhado, mas a gerente sempre vai dizer que um cliente dela já ganhou).

A vantagem? Caso você não seja sorteado, o seu dinheiro será devolvido integralmente!

Parece ótimo, não? Uma Megasena em que, caso você não ganhe, ainda revê a aposta.

O problema é que, na verdade, você está perdendo cerca de 6,3% da quantia “investida” no PIC a cada ano. Essa é a inflação (2016) que, apesar de invisível, deteriora o valor real do seu dinheiro.

Além disso, esse montante poderia ter sido investido em algo que possuísse um rendimento real. 

Há, por exemplo, CDB’s com rendimento de 10% ao ano, tão seguros quanto o PIC e que ainda permitem a retirada do dinheiro a qualquer momento.

5 — Você paga para ter uma conta no banco

Esse, provavelmente, é o pior jeito de jogar dinheiro fora.

jogar dinheiro fora

Nós explicamos recentemente em um artigo sobre renda fixa como os bancos fazem para lucrar. Basicamente, eles emprestam dinheiro a uma taxa muito mais alta do que a que pagam para pegá-lo emprestado através de CDB’s, LCI’s e LCA’s.

Sua fonte de capital, no entanto, não se limita ao montante arrecadado com títulos de renda fixa.

O dinheiro depositado em sua conta também é utilizado para financiar as atividades do banco.

Claro, em momento algum aparecerá em seu extrato alguma movimentação e há garantias de que a quantia completa sempre estará disponível para saque.

Porém, isso não significa que o dinheiro esteja parado.

Além de emprestar o dinheiro que está na sua conta para outras pessoas e ganhar com o juros, o banco ainda te cobra por isso.

Literalmente você paga para o banco ganhar dinheiro as suas custas.

As taxas de manutenção cobradas variam de R$60 (contas universitárias) até R$ 1.188 ao ano.

Contas Digitais

Se você é do tipo que prefere fazer tudo pelo computador e detestar ir ao banco, as contas digitais são uma boa opção.

Essa modalidade de conta é isenta de tarifas, com a contrapartida de que o usuário opere somente através de meios digitais, como aplicativo de celular, internet e caixa eletrônico.

Basicamente, você para de pagar taxas e ainda deixa de enfrentar filas no banco.

6 — Você tem uma linha de telefone residencial

jogar dinheiro fora

O celular já substituiu o telefone fixo em mais da metade das residências brasileiras.

Mesmo assim, muitas pessoas ainda mantêm uma linha residencial, pagando uma mensalidade média de R$76,80. 

Listamos alguns motivos pelos quais não vale a pena ter uma linha fixa de telefone:

  • Você receberá ligações de telemarketing
  • Seus amigos e parentes certamente sabem o número do seu celular
  • Você provavelmente fica fora de casa na maior parte do dia
  • Um plano de telefonia móvel de apenas R$28 te garante 6h30min de ligações por mês. Certamente mais do que você conseguirá utilizar.

Enfim, eu acredito que a maioria das pessoas permaneçam com sua linha telefônica ou por preguiça de cancelá-la, ou por receio de que seja difícil realizar esse procedimento.

7 — Você cai no conto do produto maior por um pouco a mais

jogar dinheiro fora

“Milkshake: Pequeno R$10, Médio R$12, Grande R$13”

Apesar de ser uma das estratégias mais antigas de marketing, sua eficácia é incomparável.

Afinal, quem nunca optou pelo maior tamanho apenas porque “valia a pena”?

Psicologicamente, nós tendemos a identificar a relação de custo benefício pela variação do preço em cada tamanho.

Como a diferença de preço entre o milkshake grande e médio é de apenas R$1, acabamos achando mais vantajoso optar pelo maior tamanho, já que ele custa somente um pouco a mais.

Essa estratégia é utilizada por diversas redes alimentícias, como McDonalds, Burger King, Bob’s e Starbucks. É ela que nos faz pagar R$12 por um café.

O ideal é que você escolha o tamanho do alimento que irá consumir sem consultar o valor.Na pior das hipóteses, caso você escolha o maior tamanho, ainda terá a chance de achar que ele é muito caro e optar por um tamanho menor. 

Isso fará com que o “efeito custo x benefício” não te influencie a comprar o maior deles.


Depois de ler esse artigo, você provavelmente economizará bastante apenas cortando esses gastos inúteis.

 Agora vem o próximo passo: investir esse dinheiro.

Nós escrevemos recentemente dois artigos que são fundamentais para quem quer ter sucesso absoluto nos seus investimentos:

Como investir em Renda Fixa: o guia completo para quem nunca saiu da poupança

Como investir na bolsa de valores: as 7 coisas que você precisa saber para começar a investir


ar condicionado gasto melhor arcondicionado

Aprenda em 5 minutos como calcular o gasto do seu ar condicionado.

Todo verão é a mesma história: ar condicionado ligado e conta de luz dobrada. A procura por maneiras de economizar energia aqui e ali dentro de casa, para não abrir mão do conforto do ar condicionado, é extrema.

Provavelmente, você deve estar pensando que este texto é mais um daqueles "15 dicas para economizar no consumo de energia do ar condicionado" ou algo do tipo.

 economizar energia

Não, esse não é um texto sobre como economizar com seu ar condicionado.

Não que haja algo de errado em querer economizar. Inclusive, caso queira saber como, sugiro que leia essa excelente matéria.

"Mas isso não é um blog de educação financeira?"  — Sim, claro que é. Acontece que tão importante quanto poupar e investir, é saber se planejar para futuras despesas e gastar bem o seu dinheiro.

Por isso, vamos ajudar você a calcular o consumo de energia do seu ar condicionado.

Neste artigo você vai aprender sobre:

  • O revolucionário selo Procel
  • Como calcular o consumo de energia do seu ar condicionado
  • Vale a pena reduzir o consumo em casa para poder utilizar o ar condicionado?

1 — O revolucionário selo Procel

Todo mundo já viu esse selo em algum eletrodoméstico. Isso mesmo, aquele selo que indica se seu aparelho consome muita ou pouca energia. Melhor dizendo, se é eficiente ou não.

Ele foi criado no Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel), que tinha como objetivo diminuir o desperdício de energia elétrica e revolucionou a maneira como as pessoas encaram o consumo de energia no Brasil.

Antes dele não se fazia ideia de quanto um eletrodoméstico, por exemplo, consumia de energia. Muito menos existia a preocupação de um consumo consciente.

economizar energia

Como podem ver, A corresponde ao modelo mais eficiente e E ao menos eficiente.

Por isso, na hora de comprar seu ar condicionado ou qualquer outro aparelho devemos optar sempre pelos modelos com selo A.

Provavelmente serão um pouco mais caros, mas essa diferença é compensada rapidamente com contas de luz mais baratas.

Agora que você já sabe o que é o selo Procel vamos ao objetivo desse artigo.

2 — Como calcular o consumo de energia do seu ar condicionado

Se você leu a matéria que recomendei ali em cima, deve ter visto que as dicas de como economizar começam na escolha do aparelho (encontre aqui a potência ideal para seu ar).

Mas, o foco aqui é saber exatamente quanto o ar condicionado que você já tem consome de energia.

Esse cálculo é bem simples, basta saber:

  • A quantidade de horas por dia que o aparelho fica ligado;
  • Quantos dias no mês você usa;
  • O consumo de energia do equipamento, em kWh/mês;
  • O preço da energia na sua cidade, em R$/kWh.

O consumo de energia do equipamento é muito fácil de encontrar. Lembra do selo Procel? Nele está indicado esse valor.

economizar energia

Caso o seu aparelho não esteja mais com esse selo, você pode procurar no manual dele ou acessar os sites do Procel ou Inmetro para obter essa informação.

E, para saber o preço da energia na sua cidade é só pegar uma conta de luz recente.

economizar energia

Com isso, é possível calcular rapidamente o consumo de energia do seu ar condicionado.

Calcule agora mesmo o consumo de energia do seu ar condicionado, usando essa calculadora!

Finalmente, vamos à parte mais polêmica desse artigo:

 

3 — Vale a pena economizar energia com outros aparelhos para utilizar o ar condicionado?

Se você calculou o consumo de energia do seu ar condicionado, percebeu que ele é o vilão da sua conta de luz no verão (para a maioria dos brasileiros).

E, convenhamos, é MUITO desconfortável passar o verão sem ele.

Calma! Não precisa sair correndo e desligar todos os aparelhos da tomada para economizar do modo stand-by. Não vai ser isso que vai fazer sua conta voltar ao que era nas outras estações do ano.

Alguns institutos dizem que os aparelhos ligados em stand-by podem representar até 12% da conta de luz.

Parece algo considerável? Vamos analisar com um exemplo prático.

Semana passada, recebi a conta de luz aqui em casa:

1072 kWh ou R$912,46 — facada né…

Segundo essas estatísticas, no meu caso, o stand-by representaria aproximadamente R$110. Ou R$3,67 por dia.

As contas que fiz para calcular o consumo do meu ar condicionado representaram R$476,67. Mais de 4 vezes o que eu poderia economizar desligando todos os aparelhos da tomada.

Agora eu te pergunto: não seria bom economizar R$110 por mês?

Depende. Se você for do tipo de pessoa que usa o computador e outros aparelhos com frequência, não.

Para mim, por exemplo, que ultimamente utilizo bastante o computador para trabalho ou para aprimoramento pessoal, não valeria a pena.

A conveniência de manter o computador ligado, permite que eu não perca tempo toda vez que precisar usá-lo. E o pior, eu teria que fazer isso com TODOS os aparelhos, para ter uma economia de R$3,67 por dia ou 15 centavos por hora (os R$110 mensais).

Já parou pra pensar quanto vale a sua hora?

Com certeza absoluta, ela vale mais do que 15 centavos.

Ou seja, é muito mais caro se livrar do modo stand-by do que conviver com ele!

Valeria a pena economizar esses R$110 utilizando menos o ar-condicionado?

Novamente, depende. Mas existem duas tarefas que justificam e muito o uso do ar: dormir e trabalhar (ou qualquer outra coisa que possa te gerar renda).

Uma boa noite de sono é muito importante para poder executar as atividades do seu dia. Todo mundo sabe disso porque já teve uma, ou várias noites de sono mal dormidas.

Pode comprometer, inclusive, sua produtividade e gerar consequências indesejáveis para sua saúde. Por isso, na hora de dormir, não se prive do conforto do ar condicionado.

Além disso, não ouse economizar com ar condicionado na hora do trabalho. Trabalhar no calor é insuportável (a não ser que você trabalhe na praia).

Vai te deixar desconfortável, estressado e certamente, você não renderá o máximo que poderia.

4 — Resumo

  • Sempre compre aparelhos com selo Procel A.
  • Saiba exatamente quanto seu ar condicionado gasta, usando sua conta de luz e o selo Procel.
  • Você não precisa se privar do conforto do ar condicionado.
  • Muito menos tirar seus aparelhos do modo stand-by.

Ao invés de tentar economizar no verão, se planeje para enfrentar gastos maiores nessa época. Você tem o ano inteiro para isso.

Elimine gastos excessivos durante o ano e viva a sua melhor época confortavelmente. :)